Portaria 373: o que mudou no ponto eletrônico?

Ela foi editada em 2011, mas até hoje gera dúvidas e inseguranças com relação à flexibilização do ponto eletrônico nas empresas. Trata-se da Portaria 373/11, do Ministério do Trabalho e Emprego, que permite a adoção de sistemas alternativos de marcação de ponto em substituição do Relógio de Ponto Eletrônico (REP). Para saber mais sobre o que trata a Portaria e como diversas empresas vêm reagindo à questão do ponto eletrônico, continue acompanhando nosso post!

Flexibilidade por meio de acordos coletivos

Com a Portaria 373/11, as empresas estão autorizadas a adotar sistemas alternativos de controle de ponto. Porém, só poderão fazê-lo por meio de Acordo Coletivo ou Convenção Coletiva de Trabalho, que são contratos celebrados junto aos sindicatos com o objetivo de estabelecer regras gerais para determinadas categorias ou setores da economia. Para as empresas que não celebraram tais acordos formalizando a exceção, continua valendo a regra da Portaria 1510, ou seja, o ponto eletrônico é obrigatório.

No início, o fato de que a flexibilização do ponto eletrônico era assegurada apenas pelos acordos coletivos causava grande insegurança nas empresas, já que esses acordos têm a vigência de apenas dois anos e a mudança ou alteração de cláusulas só poderia ser feita mediante nova negociação junto aos trabalhadores e sindicatos. Porém, com a Súmula 277 do Tribunal Superior do Trabalho, essa realidade foi alterada. já que o Tribunal declara que, mesmo que expirado o acordo, as suas regras continuam valendo, exceto se o sindicato e a categoria demandarem novas negociações.

Homologação do sistema e fiscalização

Ao contrário do sistema eletrônico, os sistemas alternativos não precisam ser homologados e certificados pelo MTE ou seus órgãos credenciados. Porém, a empresa deve disponibilizar para a fiscalização todas as explicações e documentos que forem solicitados. Essa verificação de regularidade deve ser realizada por um auditor da fiscal do trabalho e, caso não sejam atendidas as exigências da legislação, a empresa pode arcar com pesadas multas.

Marcações automáticas

Outra mudança promovida pela Portaria 373/11 é a proibição da geração de marcações automáticas de ponto que eram utilizadas nos sistemas alternativos para registro de entradas e saídas normais de jornadas, previstas para cada funcionário. Como o objetivo da Portaria é simplificar o sistema de ponto, presume-se que o funcionário cumpre sua jornada e somente casos como horas extras, atrasos, ausências e outros deveriam ser tratados. Com a Portaria 373, entende-se que esse tipo de controle foi descartado, uma vez que o programa de tratamento dos registros de ponto não poderá automaticamente registrar a entrada e saída justamente para não ferir a Portaria.

Novos sistemas de registro de ponto

Para quem elabora e desenvolve programas de marcação de ponto, é importante se adequar às exigências da nova norma para que a empresa não sofra sanções. Algumas empresas, por exemplo, permitiam a marcação de ponto online, via web ou login/logout do sistema da empresa. Caso haja a indisponibilidade desse tipo de registro, ainda que por força alheia à vontade da empresa, pode-se caracterizar uma restrição ao registro de ponto, o que pode acarretar problemas para a empresa.

Você já regularizou o sistema de ponto da empresa? Aderiu ao ponto eletrônico? Tem dúvidas sobre a aplicação da Portaria? Deixe seus comentários abaixo e compartilhe sua experiência!

2 Comentários

  1. Tiago Azinheirasays:

    Boa noite, vou abrir um estabelecimento de restauração num shopping.
    Estou a pensar comprar um relógio de ponto biométrico para instalar no estabelecimento.
    Posso instalar um relógio de ponto biométrico comprado no “ebay”?

    Obrigado

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"