Entenda a importância da gestão de tributos e encargos em restaurantes!

Muitos empreendedores querem entrar para o ramo de restaurantes pois acreditam que o lucro é praticamente certo. Porém, gerenciar um negócio desse tipo não é uma atividade nada simples.

Além da logística com fornecedores, da administração de funcionários e da criatividade para atrair a clientela, quem possui um restaurante também deve contar com uma boa gestão de tributos.

Assim como a questão tributária afeta qualquer empresa, os restaurantes também devem ficar atentos na hora de recolher impostos para não prejudicar o faturamento.

Quer saber qual a melhor forma de fazer uma boa gestão de tributos e de encargos para o seu restaurante? Então, continue lendo este post:

Por que restaurantes devem apostar em planejamento tributário?

O Brasil conta com uma das cargas tributárias mais altas do mundo. A grande quantidade de tributos, somada às contradições da legislação tributária, gera um cenário fiscal bastante complexo e que desfavorece empresas dos mais variados setores.

Justamente por isso, uma boa gestão tributária deixou de ser algo estratégico para se tornar uma medida essencial para a sobrevivência de muitos restaurantes. Otimizar — e até reduzir a quantidade de tributos — é uma operação possível.

No entanto, é necessário contar com o auxílio de um profissional especializado na hora de fazer um planejamento tributário.

Como funciona o planejamento tributário?

Para quem não conhece, o planejamento tributário é um estudo que avalia as diferentes formas de incidência de tributos sobre uma determinada empresa. Por meio desse levantamento, é possível direcionar as atividades da empresa, fazendo com que ela recolha os impostos necessários na menor carga tributária possível.

Esse procedimento se chama elisão fiscal e não deve ser confundido com evasão fiscal.

  • Na elisão fiscal, o restaurante evita ou mesmo posterga a ocorrência do fato gerador (fato que determina o recolhimento de tributos);

  • já na evasão fiscal, ocorre a sonegação, ou seja, a empresa deixa de recolher os impostos necessários e comete um crime.

O que é enquadramento fiscal inteligente?

Além de estudar as formas de otimizar a carga tributária de um restaurante, o planejamento tributário também avalia o enquadramento fiscal da empresa. Dependendo do tipo societário escolhido para o restaurante, é possível determinar qual será o seu regime tributário.

Boa parte dos restaurantes, por serem micro e pequenas empresas, acabam optando pelo Simples Nacional. No entanto, dependendo da situação, o enquadramento pelo Lucro Presumido, por exemplo, pode ser mais interessante.

Para saber qual é a melhor estratégia, o ideal é buscar o auxílio de um profissional especializado na área jurídica ou de contabilidade.

Lembre-se que não existe uma receita para realizar um bom planejamento tributário. É preciso ver caso a caso e conhecer o modelo societário e tributário antes de otimizar a quantidade dos impostos que recaem sobre o restaurante.

Se recolho pelo Simples, já não tenho a menor carga tributária?

Alguns modelos tributários — como o Simples Nacional — visam aplicar uma carga menor às empresas. Por isso, é destinado aos pequenos negócios.

Porém, apenas recolher pelo Simples não significa que o seu restaurante tem a menor carga tributária possível. Em alguns casos, como mencionamos, o Lucro Presumido pode ser a melhor opção. Por isso, vale a pena investir em um bom profissional.

Menos tributos significa também menos encargos no orçamento — o que impacta diretamente no lucro.

Você gerencia um restaurante e gostou dessas dicas? Então, não deixe de compartilhar nas redes sociais e ajude outros empreendedores a saberem mais sobre a carga fiscal e como otimizar o pagamento de tributos em um restaurante!

Banco de horas: saiba como implementar no seu restaurante

Você sabe o que é o banco de horas? É um sistema legal, que está dentro da legislação trabalhista, para compensar as horas extras — feitas pelos funcionários — com folgas. Isso pode ser conferido no artigo 59 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), depois que a Lei 9.601 foi homologada em 1998.

Na época, essa flexibilização foi de extrema importância já que o país estava passando por um regime de recessão econômica e, por isso, o banco de horas passou a ser uma alternativa para manter o trabalhador dentro da empresa sem ter a necessidade de demiti-lo.

Esse regime de compensação de horários se tornou tão bom que, mesmo depois que o cenário econômico melhorou, a lei continuou em vigor, e milhares de empresas hoje em dia trabalham com ele.

Se você quiser saber como implementá-lo no seu restaurante, continue por aqui que nós vamos te dar algumas dicas!

1. Verifique se esse regime é o ideal para seu restaurante

O banco de horas é muito bom, mas ele precisa se adequar às necessidades da empresa. Ele pode ser utilizado, por exemplo, em situações em que o fluxo produtivo está abaixo do normal e é possível dispensar o funcionário antes do horário. Assim, essas horas não trabalhadas podem ficar num banco de horas para quando a empresa estiver num período de alta produtividade.

2. Converse com o sindicato

O banco de horas é um sistema diferente da compensação simples, que pode ser feita de forma individual. Nesse caso, os responsáveis da empresa precisarão entrar em contato com o sindicato para realizar a negociação das normas que serão aplicadas: horários, períodos de compensação, valor da hora trabalhada e outros direitos.

Porém, é preciso ficar atento para alguns detalhes que existem na lei. Por exemplo, alguns tipos de trabalhadores não podem fazer parte do banco de horas.

Os que trabalham em atividades insalubres ou perigosas (a não ser que haja autorização da autoridade de segurança e higiene do Ministério do Trabalho) ou os trabalhadores que ainda têm menos de 18 anos de idade são alguns exemplos.

3. Fique de olho na lei

Além do fato de que alguns grupos estejam impossibilitados de trabalhar nessa modalidade de compensação, há outros requisitos que devem ser respeitados para que o contrato com o sindicato esteja devidamente de acordo com o que exige a lei. Sendo assim, você precisa seguir alguns requisitos:

  • a jornada de trabalho máxima é de até 10 horas, exceto para os trabalhadores que trabalham em regime de escala;

  • jornada semanal de no máximo 44 horas;

  • a compensação de horas deve ser realizada em até 12 meses;

  • o empregado tem o direito de acompanhar o seu saldo no banco de horas;

  • deve ter previsão em acordo coletivo ou convenção.

Caso a quantidade de horas não for compensada dentro do período de 1 ano, as que ainda restarem devem ser pagas em dinheiro aos funcionários.

Gostou de saber mais sobre o banco de horas? Comente este post e conte para a gente como você pretende implementar essa modalidade no seu restaurante!

 

Marketing para restaurantes: 6 ações para colocar em prática já!

Administrar um restaurante não é uma tarefa das mais simples. Lidar com a logística dos fornecedores, manter a motivação da equipe, evitar o desperdício de alimentos e fidelizar clientes são apenas alguns dos desafios diários de quem atua nesse ramo.

Para quem quer manter seu estabelecimento sempre cheio, conquistando mais e mais clientes, é fundamental investir em algumas ações de marketing para restaurantes.

Se você anda meio desligado das ações de marketing para restaurantes, é hora de arregaçar as mangas e começar! Para saber mais, confira algumas ações que você já pode começar a colocar em prática já!

1. Conheça o seu diferencial

Por acaso você já parou para investigar por que seus clientes vão até o seu restaurante? O que torna o seu estabelecimento atrativo para o público? Qual o seu diferencial?

Antes de montar qualquer estratégia de marketing ou mesmo rascunhar um plano de ação, é fundamental que você conheça qual o seu diferencial. E não vale responder coisas genéricas do tipo “qualidade dos pratos” ou ainda “bom atendimento”.

Se você ainda não está certo de quais são seus pontos fortes como negócio e qual o seu diferencial, pergunte aos seus clientes. Você precisa saber aquilo que tem de melhor para trabalhar em sua estratégia e fazer com que seu público identifique sua marca.

2. Invista em um bom atendimento

Ninguém gosta de ir a um restaurante e ser mal atendido, não é mesmo? O atendimento é uma das principais questões a serem trabalhadas pelos gestores, afinal, mesmo que os pratos sejam bons, se o atendimento é ruim, dificilmente os clientes voltam.

Tanto os funcionários da cozinha, quanto os garçons, equipe de segurança, manobristas e equipe de limpeza são o cartão de visitas do seu estabelecimento. É fundamental realizar treinamentos periódicos e agir como um líder, supervisionando, motivando e ensinando para que o contato com o cliente seja sempre impecável.

Se você, como dono, não se sente pronto para promover treinamentos ou fazer a supervisão da equipe, considere a contratação de uma consultoria.

3. Tenha um prato para atrair clientes

Essa é uma ótima estratégia que poucos donos apostam. Especialmente quando olham somente para o lucro.

O objetivo aqui é atrair clientes e os estimular a consumirem outras coisas dentro do restaurante.

Eleja uma entrada ou um drink que faça do seu estabelecimento um local conhecido. Os preços, igualmente, devem ser bastante atraentes para que o público chegue e não apenas consuma a entradinha, como também siga para o prato principal.

Mesmo que os valores praticados tenham baixa margem de lucro, essa é uma excelente forma de aumentar o ticket médio de consumo e melhorar o faturamento como um todo.

4. Participe de eventos e festivais

Um dos maiores erros dos restaurantes é apostar unicamente no ponto onde estão localizados. Investir em eventos e festivais é uma excelente oportunidade para apresentar seus pratos a um público novo e até conquistar novos clientes.

Por mais que os eventos requeiram uma logística extra e possam demandar a contratação de funcionários e estrutura, muitas vezes esse tipo de investimento vale a pena.

5. Aposte em uma boa comunicação interna

Mais do que uma bela fachada, também é fundamental cuidar de outros elementos que, da mesma forma, transmitem os valores da sua marca. Cardápio, guardanapos, embalagens e até carros da frota podem ser um veículo de comunicação com o seu público. Por isso, vale apostar em uma bela identidade visual e aplicar em elementos que possam servir também como publicidade.

6. Construa sua presença digital

A maioria das pessoas vai direto para a internet quando pensa em consumir algo. Com os restaurantes, isso não é diferente. Por isso, não deixe de ter um bom site, aposte nas redes sociais e invista em marketing digital. Uma boa ideia é conversar com influenciadores digitais que possam trazer público ao seu estabelecimento.

No ramo de restaurantes, as fotos são sempre o maior atrativo. Então, não deixe de usar desse recurso na hora de divulgar seu estabelecimento na web e fique sempre atento aos feedbacks dos consumidores!

Gostou dessas dicas? Então, não deixe de compartilhar nas redes sociais!