Consultoria de Ponto: veja os benefícios

A sua empresa está em constante crescimento e você precisa, a cada dia, organizar melhor os dados dos seus funcionários, controlar quem entra e quem sai e os horários em que esses movimentos acontecem. Afinal de contas, muitas custas trabalhistas já são pagas todos os meses e adicionar a isso o pagamento de hora extra sem comprovação é mais uma despesa.

Se você está enfrentando esse tipo de problema com os seus colaboradores, então a consultoria de ponto pode ser necessária.

A importância de acompanhar a folha de ponto

A folha ou livro de ponto é o documento pelo qual você consegue acompanhar as entradas e saídas de todas as pessoas dentro da sua empresa. Além de ser uma ótima forma de aumentar a segurança do ambiente, também evita diversos problemas trabalhistas em um momento futuro.

Por exemplo, um funcionário pode exigir um pagamento por conta de horas extras feitas, mas você tem como comprovar se isso aconteceu de fato ou não analisando a folha de ponto.

Assim, fica claro que que a folha de ponto é um documento essencial para resolver questões burocráticas e também reduzir problemas de inadimplência e faltas injustificadas dentro da empresa.

A falta de consultoria de ponto pode gerar problemas

Vamos pensar na seguinte situação. Você tem muitos empregados e eles se alternam em turnos. Uns começam a jornada às 08 da manhã e encerram às 16 horas e outros entram às 16 e saem às 22 horas. Ainda há também aquele segurança que fica na entrada e que trabalha das 22 às 06 da manhã.

Com tantos horários diferentes para tantos funcionários, é impensável não ter uma gestão ou um setor na empresa que tenha o controle sobre esses dados.

Há muitos problemas que a falta ou erros na consultoria de ponto podem trazer não só para o dono da empresa, mas também para os empregados:

Cumprimento de jornada diária

Como você poderá ter a certeza de que os funcionários estão cumprindo a carga horária estabelecida em contrato? Jornadas que excedam em 5 minutos por turno ou 10 minutos por dia já pode ser considerada hora extra.

Assim, se não ouvir uma boa gestão desses números, tanto a empresa quanto o funcionário podem sair prejudicados.

Intervalo entre jornadas

Em algumas situações, as empresas precisam acelerar a produção e, para isso, pagam horas extras para que os funcionários trabalhem por mais tempo. Mas é preciso ficar atento, pois entre duas jornadas de trabalho é exigido um período mínimo de descanso de 11 horas.

Cálculo de horas extras

Quando se tem poucos funcionários, é possível fazer o cálculo da hora extra sem grandes problemas, mas para aqueles que possuem um grande contingente na folha de pagamento, fica inviável fazê-lo por conta própria. É preciso calcular 50% a mais da hora extra e se o trabalho for realizado em feriados ou finais de semana, o valor da hora é 100% a mais.

Por que contratar uma consultoria de ponto

Todos esses cálculos que listamos acima precisam ser realizados com o máximo de cuidado. Assim, a melhor opção é ter um setor que cuide disso ou então, algo que pode custar menos para os bolsos da empresa é contratar um serviço terceirizado.

A vantagem é que, caso você precise de um outro serviço na área, eles poderão oferecer e por um preço menor. Além disso, é muito melhor saber que um trabalho como esse, que exige o máximo de atenção, está sendo feito por mais de uma pessoa.

A sua empresa está precisando de uma consultoria de ponto? Então, entre em contato com a gente e tire as suas dúvidas!

Solicite Orçamento

A folha de ponto da sua empresa é preenchida corretamente?

Ter o controle da assiduidade e da frequência dos colaboradores é importante para a empresa, assim como também para o funcionário. É na folha de ponto que ficam registradas as horas trabalhadas e outras informações básicas sobre o trabalho, evitando os ocasionais problemas trabalhistas.

A folha de ponto precisa ser preenchida corretamente para que tanto os gestores quanto os funcionários tenham todas as informações adequadamente minutadas e para o caso de elas serem necessárias no futuro.

Quer saber como preencher a folha de ponto de modo correto? Confira!

Por que preencher a folha de ponto é importante?

A folha de ponto é uma ótima forma de conseguir controlar bem as entradas e as partidas, e assim evitar fraudes entre os funcionários. Algumas informações são primordiais e obrigatórias nesta folha. De uma forma geral, ela aponta todos os horários de entradas e saídas de sua equipe, além do descanso remunerado, e até mesmo os dias de falta.

Esse controle é obrigatório para empresas com mais de 10 funcionários contratados, porém é recomendado que empresas menores também façam o monitoramento. O ponto eletrônico tornou-se obrigatoriedade nos estabelecimentos comerciais para auxiliar a evitar enganos, que eram de costume de muitos funcionários quando o ponto ainda era manual. Mas para quem trabalha por hora, como os professores e instrutores, o ponto ainda pode continuar sendo manual.

O que é obrigatório constar na folha de ponto?

As informações que a folha de ponto deve ter são:

  • Hora de entrada: inicial e volta do almoço;

  • Hora de saída: para o almoço e saída;

  • Hora de início e término da hora-extra, se houver;

  • Intervalo para almoço de, no mínimo, 1 hora.

Vale ressaltar que, de acordo com a CLT, o funcionário tem 5 minutos de tolerância para mais ou para menos e também que a folha de ponto é individual, devendo ser devidamente preenchida todos os dias pelo funcionário. No fechamento do mês, a folha de ponto deve ser assinada pelo funcionário. Cabe ao RH ou ao gestor do funcionário ensinar a ele como preencher a folha de ponto de maneira adequada.

Vale a pena usar relógios de ponto?

O relógio de ponto é um instrumento que facilitará a vida do RH na hora de calcular as horas trabalhadas pelos funcionários da empresa. São vários os modelos de relógio de ponto que podem ser utilizados, como o relógio cartográfico.

Esse modelo de relógio de ponto ainda exige esforço manual, já que não soma e nem calcula as horas trabalhadas, apenas registra o horário exato em que o cartão de ponto é batido. É válido ressaltar que cada funcionário deve bater o seu cartão.

Por não ser um modelo de relógio de ponto eletrônico, ele está isento das regras do Ministério do Trabalho e Emprego, que exige que pontos eletrônicos sejam homologados pelo Ministério e aprovados pelo INMETRO.

Mas esse tipo de controle manual do ponto também traz vantagens, já que não é necessário conhecimento técnico, e é o ideal para empresas menores que querem maior controle de sua equipe, tendo um valor de investimento mais baixo.

Optar por um relógio de ponto eletrônico é garantir melhores resultados, já que esse sistema é informatizado e transfere os dados diretamente para o setor de RH, onde o cálculo das horas é feito automaticamente. Porém, lembre-se de que o modelo carece de aprovação do INMETRO.

O preenchimento adequado da folha de ponto é fundamental para o bom relacionamento entre funcionário e empresa, garantindo também que tudo esteja dentro das normas da CLT.

Quais são as principais vantagens da folha de ponto?

Como destacamos, a utilização da folha de ponto pode otimizar o tempo gasto nas atividades da equipe do RH, uma vez que esse método calcula as horas automaticamente. Mas esse não é o único benefício.

Veremos a seguir, as principais vantagens para a empresa e para os seus funcionários por meio da utilização dessa prática:

Eliminação de fraudes

É comum haver nas empresas um certo desconforto quando o assunto é relacionado com as horas trabalhadas — tanto por parte dos colaboradores quanto por parte do empregador. Por isso, com a utilização da folha de ponto, todas as horas são documentadas automaticamente, dispensando qualquer dúvida ou ilegalidade.

Nesses casos, empresa fica resguardada para pagar os seus funcionários apenas as horas que de fato foram trabalhadas — sem dúvidas ou desconfiança. Já por parte do empregado, não existe o risco de existirem horas não computadas ou acumuladas sem o conhecimento do responsável.

Além do mais, o risco de fraudes é eliminado, já que, por ser um sistema eletrônico, não é possível adulterar as informações dispostas na folha de ponto, devido à total segurança que o software garante.

Menor risco de multas

Investir em um dispositivo automatizado eficiente para o controle da folha de ponto possibilita que a empresa diminua as chances de autuações e das multas trabalhistas, uma vez que o software calcula as horas trabalhadas, ausências e atrasos.

Com esse controle, no momento em que o Ministério do Trabalho for fiscalizar a empresa requisitando comprovantes de jornada de trabalho dos funcionários para verificar quaisquer irregularidades, as informações estarão armazenadas em um só lugar — de forma precisa e confiável.

Por isso, aderir a um sistema de automação de controle de ponto é essencial para a mitigação de riscos com multas ou autuações trabalhistas, que podem apresentar valores extremamente elevados, prejudicando a saúde financeira dos negócios.

Transparência e precisão

Como já dito, o ponto eletrônico não permite alterar ou modificar informações, já que é um sistema extremamente seguro e transparente. Além disso, o ponto coleta o momento exato da entrada e saída do funcionário — computando a hora, minuto e até mesmo os segundos.

Com essas facilidades e segurança, o empregado e o empregador podem ter uma relação de confiança, sem medo do pagamento de horas erradas ou o risco de períodos não computados.

Como demonstrado até aqui, processos ultrapassados para a gerência da folha de ponto podem resultar em diversos consequências negativas para o negócio, desde multas trabalhistas até erro na folha de pagamento por não calcular ao certo as horas trabalhadas.

Portanto, com o intuito de eliminar o máximo de erros possíveis e otimizar o processo da equipe de RH, a adoção de um sistema de ponto automatizado torna essencial para o funcionamento saudável da empresa.

E então, o que você achou desse artigo sobre como preencher folha de ponto corretamente? Não se esqueça de deixar um comentário com sua opinião. Ela é muito importante!

 

O que fazer com o comprovante de ponto?

Embora muitos trabalhadores tenham contato com os registradores eletrônicos de ponto, poucos imaginam que o sistema é uma exigência legal e que visa a proteção de direitos trabalhistas, além de trazer vantagens para o empregador.

Neste post, mostraremos quais são as vantagens advindas com a adoção do sistema, bem como a importância de se guardar adequadamente o comprovante de ponto e como fazê-lo. Vamos lá?

Exigência legal

De acordo com a portaria do Ministério do Trabalho e Emprego 595/2013, as empresas com mais de 10 funcionários ficaram obrigadas a adotar o sistema de registro eletrônico de ponto, também conhecido como REP.

O motivo alegado pelo ministério é muito simples: evitar fraudes de ponto eletrônico, principalmente quando houver cumprimento de horas extras. Assim, a cada registro de ponto, o trabalhador receberá um comprovante indicando a data e o horário do registro.

Ao decidir adotar o Registrador Eletrônico de Ponto, a empresa deverá seguir todas as exigências do MTE referentes à certificação dos equipamentos, emissão dos tickets, inviolabilidade da memória, entre outras. Além disso, desde outubro de 2015, os Registradores Eletrônicos de Ponto tem que atender a novas especificações, entre elas a adoção de memória criptografada dos registros de ponto, e de assinatura digital em cada marcação, aumentando a segurança do processo.

Vantagens para o empregador

O sistema REP apresenta diversas vantagens para o empregador. Entre elas, as maiores são:

  • Aumento de produtividade, por permitir maior agilidade no fechamento do ponto no modelo eletrônico, além de exigir menos pessoas para a tarefa;

  • Ganhos de espaço e de tempo ao eliminar a necessidade de arquivar e manusear papéis;

  • Melhorias na conformidade, por ser possível fazer cópias de segurança dos dados, evitando extravios de documentos.

Ainda assim, a principal vantagem do REP é a regulação da relação entre empresa e empregado, uma vez que, com registros precisos e livres de fraude, o administrador consegue dimensionar melhor o seu quadro de funcionários e evita ter que enfrentar processos judiciais posteriores.

Vantagens para os empregados

Com a adoção do REP, os empregados podem estar certos de que terão assegurados os seus direitos trabalhistas ao realizarem horas extras, pois o comprovante de ponto emitido em cada marcação servirá como meio de prova, caso necessário.

Cuidados com o comprovante de ponto

Os equipamentos de registro eletrônico de ponto utilizam impressão em papel termo sensível, portanto é preciso adotar alguns cuidados para garantir que o comprovante de ponto se mantenha legível durante o prazo exigido por lei (5 anos), como evitar contato com produtos químicos, exposição à luz do sol e contato com plásticos.

Como vimos, o registro eletrônico de ponto é uma ferramenta que visa garantir uma relação justa entre empregado e empregador através do registro preciso das jornadas de trabalho e pela concessão ao trabalhador de meios de provar os períodos trabalhados.

Oriente os seus funcionários sobre a importância do REP e como o uso correto é importante para os dois lados. Se você gostou do nosso post, não deixe de ler nosso artigo o sobre a importância do registro de ponto do colaborador!

 

Como escolher o software de gerenciamento de folha de pagamentos?

Admissão, afastamento, férias, horas extras, adicional noturno, rescisões… Realmente, não é fácil calcular a folha de pagamentos ao final do mês. Por isso, o software de gerenciamento de folha de pagamentos é tão importante para melhorar e agilizar a rotina do departamento de RH.

Existem diversas opções de sistemas e softwares no mercado, mas você sabe como escolher o software adequado para a sua empresa? Não? Então acompanhe nossas dicas sobre como escolher e implantar um sistema que melhor se encaixe na realidade do seu negócio!

Qual é a importância do software de gerenciamento de folha de pagamentos?

O foco desse artigo é explicar como você pode adotar um software de gerenciamento da folha de pagamentos. Mas, antes disso, precisamos definir porque essa alternativa é interessante. Sendo assim, existem dois motivos principais que podemos citar.

Demanda

Conforme sua empresa cresce e aumenta de tamanho, fechar as folhas de pagamento se torna uma tarefa cada vez mais pesada. Isso te deixa com duas alternativas: contratar mais funcionários para realizar a tarefa ou buscar práticas de automação do processo.

Qualquer uma delas é aceitável, mas os custos envolvidos são bem diferentes. Afinal, um software não recebe salário. Portanto, usar a tecnologia é uma forma de reduzir custos em RH.

Além disso, a solução automatizada é escalável: ela consegue dar conta de um quadro de funcionários com 10, 100 ou 1000 colaboradores. Enquanto isso, a equipe de RH precisa aumentar na mesma proporção que evolui o quadro de funcionários — para manter o ritmo de trabalho no fechamento das folhas de pagamento.

Complexidade

As próprias folhas de pagamento estão cada vez mais complexas, já que existem diversas leis trabalhistas que precisam ser respeitadas e consideradas. Para completar, muitas empresas possuem políticas e sistemas de benefícios próprios, criando mais margem para falhas operacionais.

Com esse nível de complexidade, a chance de erros humanos no fechamento da folha de pagamento é muito alta. Tais questões podem acarretar problemas jurídicos e prejudicar a relação com os colaboradores. Dessa forma, usar uma alternativa informatizada é uma maneira de evitar riscos.

Como escolher o software adequado?

Existem quatro fatores principais que devem ser considerados, na escolha do software para gestão da folha de pagamento. Veja:

Considere o tamanho da sua empresa

Empresas de grande porte costumam usar os sistemas de ERP (Enterprise Resources Planning) — softwares modulares que integram todas as atividades da instituição. Existem módulos para RH e, também, para produção, logística, vendas, compras, estoque entre outros.

Como você pode imaginar, apesar das vantagens do ERP, ele nem sempre é a melhor opção. No caso de pequenas e médias empresas, adotar essa tecnologia pode ser um desperdício, já que apresenta um alto custo de implantação. Além disso, essas empresas possivelmente não vão aproveitar todos os seus recursos.

Nesses casos, a adoção de um software específico para o setor de RH seria uma alternativa mais adequada. Por isso, comece avaliando qual é o tamanho do seu negócio e busque sempre soluções especializadas para atingir excelência.

Analise os recursos que o software oferece

O mercado dos programas de gerenciamento de RH está bem aquecido. Existem várias e diferentes opções de softwares — algumas gratuitas, inclusive, enquanto outras oferecem até armazenamento na nuvem. Diante de tantas opções, fica difícil saber qual escolher. A primeira coisa que você deve fazer é conhecer bem a empresa, seu modelo de negócios e todas as necessidades do setor de RH.

Em seguida, analise os recursos que o software pretendido deve oferecer. Essa análise deve ser feita com cuidado, para que sua decisão final não seja baseada apenas no custo. Uma dica é solicitar demonstrações de como o software é usado ou pedir referências de outros clientes (ou seja, outras empresas que o implementaram).

Busque integração com o ponto eletrônico

Já falamos em outro post que o uso da folha de ponto manual pode ser um retrocesso — principalmente se você quer realizar o gerenciamento do departamento pessoal com qualidade. Isso acontece, já que o ponto manual tem sérios problemas estruturais. Em primeiro lugar, a chance de adulterações é muito alta e difícil de detectar. Em outra perspectiva, ele exige que a equipe de RH faça todo o trabalho de inserir os dados manualmente em uma planilha.

Por estes dois motivos, o ponto manual pode, efetivamente, sair caro para a sua empresa! Ter um controle eletrônico da entrada e saída dos funcionários é imprescindível. Então, se você já adotou um ponto eletrônico, a escolha do seu software de gerenciamento de folha de pagamentos precisa levar esse aspecto em consideração. A melhor situação é vincular os dois.

Dessa maneira, as informações coletadas através do ponto — horas trabalhadas de cada funcionário, horas extras, atrasos, faltas e saídas antecipadas — serão exportadas diretamente para o software da folha de pagamento. Isso evitará erros de cálculo, além de dispensar o trabalho manual.

Avalie a implementação do software escolhido

Após identificar qual é a melhor solução para seu RH, solicite a visita de um consultor ou representante da empresa escolhida, para que ele faça todas as orientações necessárias durante a implantação do sistema.

Esse é o momento de descobrir quais ações estruturais serão necessárias. Talvez, seja preciso adquirir um sistema operacional específico para rodar o software, além de servidores adequados para armazenar dados. Por outro lado, alguns sistemas usam a computação em nuvem, dispensando esse tipo de estrutura.

Também, é muito provável que seu time de RH precise passar por um treinamento, a fim de aprender como o software funciona e como utilizar todos os seus recursos. O treinamento pode ser oferecido pela própria empresa desenvolvedora do serviço.

Para simplificar o processo, uma alternativa é escolher os gerentes da equipe. Esses funcionários assumirão a responsabilidade pelo treinamento e disseminação do conhecimento entre os outros membros.

Pode parecer um pouco complicado aderir essa prática, porém, quando tudo estiver funcionando adequadamente, você perceberá que o esforço foi pequeno diante dos benefícios.


E então, leitor? Ainda está em dúvida sobre adotar um software de gerenciamento de folha de pagamentos? Basta ler nosso artigo sobre como um software de gestão otimiza o trabalho do time de RH.

Intervalo intrajornada e interjornada: qual a diferença?

Na hora de elaborar a grade de horários de seus funcionários, muitos gestores ficam em dúvida de como contabilizar os intervalos. Afinal, qual é a diferença entre os intervalos interjornada e intrajornada?

Essa não é uma diferença trivial, pois o desrespeito às regras de intervalo pode gerar graves consequências na Justiça do Trabalho. Portanto, o que está em jogo não é somente a relação empregado-empregador, e sim se sua empresa cumpre as determinações trabalhistas.

Abaixo, buscaremos explicar como cada jornada é estabelecida da forma mais simples e transparente:

O que é intervalo intrajornada?

Rapidamente, é o intervalo que ocorre dentro de uma jornada de trabalho, para repouso e alimentação, que é de 15 minutos para jornadas em meio-expediente de 4 a 6 horas e de 1 a 2 horas em jornadas acima de 6 horas. Intervalos maiores podem ser estabelecidos em caso de acordos ou convenções coletivas de trabalho.

No caso de jornadas inferiores a 4 horas, o descanso não é nem mesmo obrigatório para o empregador. Enfim, o intervalo intrajornada não é computado como hora de trabalho, por maior que esse seja o desejo de muitos funcionários e, idealmente, deve ser registrado na folha de ponto pela empresa.

Quais são as modificações possíveis para o intervalo intrajornada?

É possível que uma empresa reduza o repouso intrajornada de jornadas acima de 6 horas? Sim, no entanto, há as seguintes regras:

  • A empresa deverá ter autorização do Ministério do Trabalho;

  • Ela deverá ser dotada de refeitório;

  • O funcionário não poderá estar sendo submetido a uma jornada suplementar, ou seja, fazendo hora extra;

  • A lei proíbe taxativamente qualquer acordo ou convenção coletiva que suprima ou reduza, a ponto de inviabilizar o intervalo, pois é considerada uma medida de saúde, de higiene e de segurança do trabalho, bens jurídicos de ordem pública.

O que é intervalo interjornada?

É aquele entre o término de uma jornada diária e o início da próxima. A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) estabelece que deve haver um intervalo mínimo de 11 horas consecutivas de descanso.

Qualquer redução nesse valor é computado como hora extra e está sujeito às mesmas regras, ou seja, não pode ser feita com frequência e não poderá ultrapassar 2 horas diárias. Portanto, caso você tenha tido um intervalo interjornada de apenas 9 horas, você terá direito a receber duas horas extras!

Qual é o regime jurídico do intervalo interjornada?

O repouso semanal são as 24 horas de descanso a cada semana. Ele não deve ser computado no cálculo da interjornada. Dessa forma, somando o descanso semanal com o interjornada, o funcionário deverá ficar 35 horas consecutivas sem executar quaisquer funções. Caso contrário, será computado como horas extraordinárias, com respectivos adicionais.

Como no caso do intervalo intrajornada, trata-se de uma questão de ordem pública para proteger a saúde, a higiene e a segurança do trabalho, não podendo, portanto, ser suprimida por acordos e convenções coletivas.

Seguindo essas disposições, dificilmente, você terá problemas na Justiça do Trabalho. Os empregadores sabem como são desgastantes os litígios trabalhistas, uma vez que há inversão do ônus probatório e presunção da verdade do depoimento do empregado.

Além de seguir à risca as regras, é importante manter um registro detalhado sobre a folha de ponto do funcionário para que seja utilizada como prova em eventuais processos.

Você visualizou algum problema em sua empresa ou tem alguma dúvida a respeito da contagem desses intervalos? Conta pra gente nos comentários.

O uso de folha de ponto é um retrocesso?

Não é comum vermos pessoas andando em carruagens no trânsito das grande cidades, e o motivo para isso não é a antipatia dos cavalos ou a incompetência dos cocheiros.

A razão para a extinção das carruagens é óbvia: carros são mais velozes, confortáveis, eficazes e bonitos.

Este é um bom exemplo para entender o processo pela qual as tradicionais folhas de ponto estão passando. Elas, assim como as carruagens, nos serviram por muito tempo, mas parecem incapazes de atender às demandas da modernidade.

Veja a seguir 3 fatores que tornam a folha de ponto a mais nova candidata ao museu:

Folha de ponto: simples, mas imprecisa

As clássicas folhas de ponto têm o atrativo da simplicidade (tudo que é mais fácil parece ser melhor, certo?), mas também possuem uma característica perigosa: a imprecisão.

Como garantir que os dados lá registrados não possuem nenhuma margem de erro? Como confiar plenamente em um sistema que depende inteiramente do esforço humano? Uma folha de ponto não pode ser interrogada, assim como não pode garantir com precisão os dados que ilustra.

Em uma empresa que se leva verdadeiramente a sério e pretende crescer, imprecisões podem custar muito caro. Qual preço você está disposto a pagar por uma delas? Quão confiável pode ser uma simples folha de ponto?

Folha de ponto: simpática, mas frágil

No mundo ideal, todos podem confiar plenamente nas informações colocadas por seus funcionários num pedaço de papel. Na Terra, porém, tal confiança cega pode acarretar perigos.

Ao contrário dos modernos sistemas eletrônicos de registro (que não podem ser manipulados), as simpáticas folhas de ponto estão suscetíveis a qualquer tipo de malícia ou idoneidade.

A folha de ponto não pode dizer com exatidão o horário no qual o funcionário foi almoçar e voltou, e tampouco pode se defender de adulterações das quais costuma ser vítima.

E, antes que você prefira simplesmente abrir mão deste perigo e abolir seus controles de ponto, saiba que a Justiça obriga empresas com ao menos 10 funcionários a possuir esta ferramenta.

Folha de ponto, fonte de susto

Ora, uma empresa que delega um papel importante a um instrumento comprovadamente impreciso e frágil está vulnerável a sustos e estes podem ser o produto final de uma aposta arriscada.

Em suma: quem planta comodismo, pode colher decepção.

Muitos empregadores têm sido surpreendidos por ações judiciais de ex-empregados que se baseiam em informações imprecisas existentes em folhas de ponto e se veem reféns deste instrumento clássico (como a carruagem), mas pouco sólido.

Sistemas de ponto eletrônicos são à prova de sustos, visto que funcionam de forma 100% digital, atuando como norte da bússola, e não se submetendo ao papel de “mapa do tesouro”.

No fim, você escolherá como encarará esta Era Digital. As opções são claras: nadar contra a maré ou fazer o vento soprar a seu favor.

E você? Já passou por algum apuro envolvendo folhas de ponto? Tem dúvidas acerca de sistemas de ponto eletrônicos? Compartilhe conosco sua experiência deixando um comentário logo abaixo deste artigo!

Projeto para controle de ponto