Como Economizar com Troca de Equipamento

Estamos na era da tecnologia e, se queremos nos manter competitivos no mercado, precisamos acompanhar as mudanças e inovações digitais de perto. Portanto, fazer a troca de equipamento por um mais novo e moderno é uma ótima escolha para o desempenho de sua empresa.

Talvez você acredite que os gastos com tecnologia sejam elevados e até mesmo desnecessários. Afinal de contas, o equipamento que está em uso na empresa ainda está funcionando. O problema é que, provavelmente, ele está dando mais gastos que o normal com manutenções e trocas de peças que já estão desgastadas e não funcionam mais.

Um problema no controle de ponto dos funcionários pode se tornar um grande contratempo para a empresa, não só pela dificuldade em gerir os processos, mas pelos custos que isso pode acarretar. Por exemplo, fica mais difícil saber se um funcionário chegou muito tempo depois ou se tem alguém que saiu 1 hora após o expediente, podendo vir a cobrar hora extra.

Como identificar a hora de trocar?

É normal que um aparelho eletrônico dê defeito uma vez ou outra, digamos, bem raramente, mas se isso está acontecendo com certeza frequência, talvez seja o momento de utilizar um modelo novo. Além disso, existem algumas peças que, inevitavelmente se desgastam com o passar do tempo. Por exemplo, teclados de borracha podem ficar inutilizáveis e precisam ser trocados com maior frequência.

Não é apenas por um defeito no equipamento que ele precisa ser trocado. Pode ser que ele não atenda mais às necessidades do seu negócio, ou seja, o seu empreendimento cresceu e precisa agora de um novo suporte tecnológico que sustente essa expansão.

Por exemplo, você já sente a necessidade de contratar mais 30 funcionários, porém, o seu relógio de ponto não irá sustentar essa quantidade extra de colaboradores. Usar formas de acesso diversas para eles não é uma boa opção, especialmente se quiser ter o controle da movimentação dentro do estabelecimento de uma forma mais fácil e sem complicações.

Quais recursos devo levar em conta na troca de equipamento?

É claro que você não deseja, simplesmente, trocar seis por meia-dúzia não é mesmo? Então, precisa primeiro conhecer os recursos que esse novo equipamento pode te oferecer. O primeiro ponto é verificar se o equipamento possui o selo do Inmetro, isso oferece maior segurança no momento da compra.

Opte por um equipamento que te ofereça maior flexibilidade. Por exemplo, a marcação dos colaboradores pode ser por código de barras, teclado touch screen ou então por biometria. O ideal é que os comandos sejam intuitivos, até mesmo para facilitar a configuração do programa. Ele deve ter uma grande capacidade de oferecer relatórios completos e também de emitir comprovantes.

Suportar uma grande quantidade de cadastros de funcionários também é uma vantagem que deve ser analisada no momento da escolha. E, acima de qualquer coisa, no momento de fazer a troca do equipamento, tenha a certeza de que ele oferece total segurança dos dados.

REP

Além de fazer a troca de equipamento, há outras formas de economizar no seu negócio, reduzindo os custos e aumentando as receitas. Quer descobrir quais são? Então baixe o nosso ebook!

A importância de manter os softwares atualizados

A tecnologia está cada vez mais se aprimorando e para manter o seu negócio a todo vapor, é essencial que você esteja acompanhando as tendências do mercado. Além do maquinário – o hardware – é necessário também ter os softwares atualizados. Os softwares são como o cérebro da máquina, assim, se eles não estiverem funcionando bem, o hardware também não funciona.

Portanto, fica claro que manter os softwares atualizados é mais do que necessário. Como são eles os responsáveis por oferecer os comandos para os hardwares, precisam operar da melhor forma possível.

Veja abaixo outros bons motivos para manter os softwares sempre sob manutenção preventiva e devidamente atualizados.

Aumenta a segurança

Você já parou para pensar na grande quantidade de dados que já tem guardados no seu software? Pense no risco que seria perder todos eles simplesmente por não ter realizado a manutenção quando deveria? Certamente os prejuízos serão bem maiores.

Uma das vantagens de realizar a atualização dos softwares é que ela costuma vir com mais recursos de segurança. Além disso, você também pode receber outros benefícios como um layout mais agradável e novas funcionalidades.

Além das falhas normais que podem acontecer devido a uma falta de atualização, há também o risco do programa ser invadido por vírus e ter suas informações roubadas. Pode haver uma brecha no seu sistema porque, assim como os softwares estão em constante atualização, os malwares também estão.

Melhora o fluxo produtivo

As inovações tecnológicas pedem, cada vez mais, maior adaptação do mercado e das empresas para continuarem servindo aos consumidores. Hoje em dia, é possível que diversos estabelecimentos ofereçam serviços muito parecidos e você precisa de algo para se destacar da concorrência.

Quanto melhor os seus softwares funcionarem e mais funcionalidades eles ofereçam, mais o seu negócio estará à frente dos concorrentes. Poder controlar melhor o seu fluxo produtivo melhora a capacidade de trabalho da equipe e assim, você passa a ter maiores rendimentos, podendo, consequentemente, oferecer serviços melhores.

Reduz os problemas do dia a dia

Tudo está funcionando perfeitamente até que, um dia, o controle de ponto para de funcionar ou então, começa a registrar o ponto dos funcionários em um horário diferente. Esse é um problema que pode tomar proporções gigantescas.

Pagar um funcionário por horas que ele não trabalhou ou descontar o tempo de serviço de um funcionário que chegou no horário certo pode gerar um grande prejuízo para a sua empresa. Além das finanças prejudicadas, você passa a ter funcionários insatisfeitos.

Uma forma muito simples de resolver o problema é fazendo manutenções preventivas, ou seja, ter softwares atualizados sempre que for solicitado. Assim, o maquinário funcionará perfeitamente bem, evitando uma série de custos a mais no orçamento.

Menos problemas contábeis

Você já está acostumado a gerar os relatórios das horas trabalhadas pelos funcionários, por exemplo, e enviá-los para o setor contábil da empresa ou para um profissional terceirizado. Ele fará todo o cálculo para que os empregados sejam remunerados de forma justa.

Agora, pense em um dia que o software não consegue gerar esse relatório, ou, pior ainda, gerar com erros. Certamente você terá que usar muito tempo (um tempo que poderia ser utilizado para gerar mais lucros para a empresa) para rever os pontos incorretos e encontrar uma solução que seja boa para todos os lados.

Então, o mais fácil é evitar essa e outras situações parecidas e a melhor forma de fazer isso é manter os softwares atualizados sempre que for requisitado pelo programa. Entre em contato conosco e faça isso agora mesmo!

4 lições sobre a Reforma Trabalhista que o Departamento Pessoal deve saber

O Departamento Pessoal é essencial para qualquer empresa, especialmente aquelas que possuem uma grande quantidade de funcionários. Ele é o responsável por arquivar toda a documentação da empresa referente à realização de rotinas, segurança do trabalho e demais papéis necessários à fiscalização da justiça do trabalho, como estabelecer os contratos entre a empresa e os funcionários, organizar a folha de pagamentos e fazer o desligamento. Para isso, é necessário ter conhecimento sobre algumas mudanças que ocorreram com a Reforma Trabalhista e que passam a interferir nos procedimentos desse departamento.

Abaixo, listamos as mudanças da reforma que o Departamento Pessoal precisa ter conhecimento o quanto antes!

1- Gozo de férias

Para calcular as férias de cada funcionário e evitar uma série de problemas no futuro, é necessário saber quais foram a mudanças e se adaptar a elas. Agora, as férias podem ser fracionada em até 3 partes contanto que haja um acordo entre o funcionário e o empregador. Esse fracionamento segue duas regras importantes: a primeira delas é que um desses períodos deve ter, pelo menos, 14 dias e a segunda é que os outros dois deve ter mais que 5 dias cada um. E, ao contrário da lei anterior, essa nova forma de gozar as férias pode ser aplicada a qualquer trabalhador e em qualquer idade.

2- Hora extra

Há também algumas novidades quanto à hora extra. Por exemplo, antes, o período de trajeto de casa para o trabalho e do trabalho para casa, era contado como hora trabalhada. A partir da reforma, esse tempo não conta mais. As jornadas continuam sendo limitadas a 44 horas semanais e 220 mensais, mas as 8 horas diárias podem ser alteradas desde que seja especificado em contrato e de comum acordo. Um funcionário pode realizar um período ininterrupto de 12 horas de trabalho, mas, após essas horas, é obrigatório um intervalo de 36 horas de descanso.

3- Rescisão do contrato de trabalho por comum acordo

Sabe aqueles casos onde uma pessoa quer muito sair de uma empresa, mas não quer perder os direitos trabalhistas? Atualmente, quem passa por essa situação, acaba não aguentando e pede demissão, ou faz de tudo para ser demitido. Com a reforma trabalhista, trabalhador e empresa podem rescindir o contrato de trabalho por comum acordo. Nessa hipótese, o trabalhador recebe metade do aviso prévio e da indenização pela rescisão (20%) e integralmente as demais verbas. Essa espécie de “acordo para ser demitido” já era praticada em alguns casos, mas de modo informal, sem qualquer segurança jurídica, já que a lei considerava a prática como fraude.

3- Trabalho por período

A antiga legislação não falava dessa modalidade de trabalho, também conhecida por trabalho intermitente. Nesse caso, o funcionário pode ser pago apenas pelas horas ou pelo dia que trabalha. Todos os outros encargos trabalhistas como previdência, 13º, férias e FGTS também serão pagos de forma proporcional. O valor da hora trabalhada não pode ser inferior a correspondente ao salário-mínimo ou menor que a de outro funcionário que exerça a mesma função em igualdade de condições.

4. Demissão

Antes, quando um funcionário pedia demissão ou era demitido por justa causa, não fazia jus ao pagamento dos 40% do FGTS referente ao valor da multa. Nesse sentido, a reforma trabalhista contemplou algumas modificações. A empresa não precisa mais esperar o cumprimento do contrato para evitar o pagamento de multas. O documento pode ser extinto depois de um acordo firmado entre empregado e empregador. Nesse caso, haverá o pagamento de metade do aviso prévio e metade da multa dos 40% do FGTS. Ele não terá direito ao seguro-desemprego, mas poderá movimentar até 80% do valor do fundo, algo que não era permitido.

Como podemos perceber, muitas mudanças foram realizadas, melhorando assim o trabalho das empresas e aumentando as chances de contratação de mais funcionários. Quer saber sobre as outras mudanças realizadas pela reforma trabalhista de forma rápida? Então baixe o nosso eBook sobre o assunto!

Conheça os principais termos na administração de condomínios

A administração de condomínios é função nada simples destinada aos síndicos, que são responsáveis pela organização e gerência do espaço comum aos condôminos. Gerir contas, investir em melhorias, estabelecer normas e promover reuniões para tratar de assuntos relevantes são algumas das tarefas mais importantes do síndico.

Mas, para executar o cargo de síndico, além da aptidão e habilidade para a boa administração, é necessário conhecer os termos técnicos recorrentes e fundamentais no cotidiano de um condomínio. Confira a seguir!

Regulamento interno

O regulamento interno é o conjunto de normas relativas ao uso e gozo do espaço comum e são estabelecidas normalmente com a participação dos condôminos, de acordo com as características particulares de cada condomínio. O regimento é a “Constituição”, ou seja, a lei maior vigente naquele determinado território e dever ser observada pelos proprietários comuns para garantir a ordem e mútuo respeito.

Para elaborar o regimento interno de um condomínio é recomendável o acompanhamento de um advogado imobiliário, a fim de evitar ambiguidade nas normas e conservar as formalidades do documento, não deixando passar detalhes essenciais. Afinal, proibições e limitações só serão válidas quando previstas no regimento.

Conselhos do condomínio 

Os conselhos de condomínio supervisionam e auxiliam a função do síndico. Em geral, existem dois tipos de conselho: fiscal e consultivo. Aos conselhos fiscais cabe analisar as contas e contratos do condomínio, fiscalizar a administração de recursos, monitorar a tomada de decisões, etc. Já os conselhos consultivos auxiliam o síndico, por exemplo, a definir prioridades, planejar ações e promover discussões sobre temas importantes.

A atuação dos conselhos é essencial para que o síndico não assuma um poder isolado, mas, principalmente, possa delegar alguma de suas inúmeras funções e atender com mais facilidade as necessidades do condomínio. Os conselhos normalmente são formados pelos próprios condôminos.

Assembleia geral 

A assembleia geral é a maneira mais democrática de discutir e tomar decisões relativas ao condomínio. As reuniões são promovidas para que os moradores possam participar da solução de temas relevantes, como segurança, por exemplo.

É o espaço para que todos possam ouvir e ser ouvidos, para que as medidas representem a vontade de todos e não sejam decididas exclusivamente pelo síndico.

Ata de reunião

A ata de reunião é a descrição escrita de tudo que foi discutido e decidido na reunião dos condôminos ou assembleia geral. É um documento, normalmente escrito a mão, mas que não deve ter rasuras e precisa ser assinado por todos que participaram da reunião para que tenha validade.

Quórum

Toda reunião ou assembleia tem um quórum necessário à sua realização, para que represente o todo. Isto é, para que a reunião aconteça e as decisões possam ser tomadas, é preciso que esteja presente um número mínimo de pessoas (membros/moradores) que representem o condomínio.

Podemos perceber que o conhecimento, aliado à responsabilidade e organização, é fundamental para o síndico exercer sua atividade com eficiência. Afinal, não há prática sem teoria. E também não há um bom profissional sem conhecimentos específicos.

Agora que você já conhece os principais termos técnicos referentes à administração de condomínios, que tal aprender um pouco mais? Acesse nosso post e veja como economizar na reforma do prédio. Boa leitura!

Gestão de restaurantes: como reduzir o consumo de água e energia?

Fazer uma boa gestão de restaurantes requer um certo conhecimento técnico e também atenção aos detalhes. Uma tarefa muito importante dentro da responsabilidade do gestor é reduzir os custos, e isso pode ser feito analisando algumas particularidades que passariam despercebidas por muitos.

Por exemplo, é possível economizar água trocando torneiras que gotejam ou reduzir o gasto de energia abrindo menos vezes a porta da geladeira. São detalhes como esses que fazem a diferença na conta no final do mês!

Vamos te apresentar algumas dicas práticas de como economizar tanto na conta de luz quanto na conta de água, evitando, assim, o desperdício. Vamos lá!

Evite abrir e fechar a geladeira ou freezer o tempo inteiro

Ficar abrindo a porta dos eletrodomésticos que precisam resfriar os alimentos é uma forma de desperdiçar energia. A cada vez que a porta é aberta, o calor do ambiente externo entra, e o motor precisa trabalhar mais para manter a temperatura adequada.

Mas como resolver isso? É simples: na hora de cozinhar, faça uma lista de tudo o que vai precisar e abra a geladeira uma única vez, pegando logo todos os ingredientes necessários.

Colete a água das chuvas

A água da chuva é algo muito valioso se você está querendo reduzir o valor da conta de água no final do mês. Ela é excelente para limpar o chão e algumas partes do estabelecimento que exigem uma quantidade maior desse líquido, como o banheiro.

Além de reaproveitar a água da chuva para fazer a limpeza do restaurante, você ajuda a preservar o meio ambiente!

Aproveite a luz natural

Uma boa forma de economizar energia é aproveitar a luz do dia. Para isso, é recomendado ter muitas janelas voltadas para o sol nascente para “pegar” a luz da manhã, e também para o sol poente e aproveitar a luz da tarde.

Pode ser que, ainda assim, você precise de lâmpadas, mas estas serão numa quantidade bem menor!

Fique de olho no gotejamento

Instalar a torneira da forma correta e trocá-la quando está provocando gotejamento é uma das coisas essenciais a se fazer quando o assunto é economia de água. Pode não parecer, mas o gotejamento pode pesar e muito no bolso: são 1.500 litros de água indo pelo ralo todos os meses.

Cano furado também pode fazer o dinheiro descer pelo ralo. Um furo de apenas 1 milímetro pode fazer um belo estrago e fazer você pagar por 62.000 litros de água (que nem foi utilizada!) por mês. Além de ser péssimo para os negócios, também prejudica o meio ambiente.

Faça a manutenção na frequência de tempo correta

A manutenção de equipamentos é uma das coisas mais importantes que devem ser feitas se você quer economizar água e energia. Por exemplo, a vedação dos aparelhos de refrigeração precisam estar em ótimas condições, já que isso mantém o isolamento térmico e os alimentos na temperatura ideal. Uma borracha estragada pode causar diversos prejuízos, como a perda de alimentos e maior consumo de energia.

Outra coisa que dificulta a refrigeração dos alimentos é forrar as grades das prateleiras da geladeira. Isso atrapalha a circulação do ar frio e, assim, o motor consome mais energia para manter a temperatura adequada.

Limpar frequentemente o condensador e escolher pontos estratégicos — longe do calor do sol — para instalar o freezer e a geladeira também devem ser priorizados.

Você conhece outras dicas de como fazer uma boa gestão de restaurantes ou como economizar água e energia? Deixe um comentário e conte para a gente!